Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

Clarice Lispector


2 Comments

  1. Paula Figueiredo
    Posted 29/10/2009 at 22:11 | Permalink

    Olá! Comentei o seu comentário em meu novo post! Gostei da citação de Clarice. Não entender é a melhor das bênçãos se soubermos receonhecê-la. É preciso que o lado direito de nosso cérebro, o lado intuitivo, supere o intelecto, a razão, o lado esquerdo. Espero que goste! Abraço!

  2. Paula Figueiredo
    Posted 30/10/2009 at 14:50 | Permalink

    Oi Rodrigo!
    Amei o comentário! Fico feliz que esteja gostando e se identificando com o meu blog! Isso me motiva muito a continuar… passo a passo.

    Vou ver se vejo a peça. Tenho certeza que vou amar.

    Há edifícios do ego que precisam ser derrubados. A alma resplandescente brilha nos escombros.

    Obrigada!

Leave a Reply